House of Caju

CARTEIRA FEMININA EM COURO "RUTH MACHADO LOUZADA ROCHA"

CÓD. HC301PTCMFRDOR
R$ 145,007x de R$ 20,71 sem juros ou R$ 130,50 à vista

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Não sei o meu CEP

CALCULANDO FRETE

Tipo Valor Prazo
VEJA MAIS CONDIÇÕES DE PARCELAMENTO. Clique aqui

Formas de parcelamento no cartão

  • 01 x de R$ 145
  • 02 x de R$ 73
  • 03 x de R$ 48
  • 04 x de R$ 36
  • 05 x de R$ 29
  • 06 x de R$ 24
  • 07 x de R$ 21

HCRUTHMACHADOLOUZADAROCHA

Dimensões: 23.0cm x 11.0cm x 2.0cm (comprimento, altura, profundidade)
Cor:Preta com Caramelo 
Material: Couro
Sku: HC301PTCMFRDOR
Peso: 0,25kg

A história por trás do nome dessa companheira:


Escritora Infanto JuvenilRuth Rocha, como ficou conhecida, nasceu na cidade de São Paulo, em 1931. Livros e gibis foram companhias constantes na infância de Ruth Rocha, em sua casa na Vila Madalena (SP), onde cresceu ao lado do pai – o médico carioca Álvaro de Faria Machado, da mãe – Ester de Sampaio Machado-, duas irmãs e dois irmãos. Dormia embalada em histórias contadas pelo avô Ioiô.Da biblioteca do pai, dentre outras, a lembrança de um livro sobre cantadores nordestinos, com o qual se impressionava como, de gente tão humilde, pudesse brotar tanta maravilha. Adiante, já na Biblioteca Circulante que ficava na Praça Dom José Gaspar, no centro de São Paulo, travou contato com a poesia brasileira. Contudo, anos mais tarde confessaria em uma entrevista, que foi Eça de Queirós, com As Cidades e as Serras, que a levou a apaixonar-se definitivamente pela literatura. E olha que a leitura foi obrigatória, para um trabalho da escola!Graduada em Sociologia e Política pela Universidade de São Paulo e pós-graduada em Orientação Educacional, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, atuou como orientadora educacional (1956 a 1972). Nessa ocasião, Ruth pode vivenciar as questões e dificuldades relacionadas à infância, bem como, o avanço e conquistas experimentadas então, pelas mulheres. Experiências de vida que marcaram sua formação.Em 1967, passou a escrever para a revista Claudia artigos sobre educação e, ainda na Editora Abril, atuou como redatora, editora e diretora da Divisão de Infanto-Juvenis. A respeito de suas histórias infantis, que surgiram na revista Recreio, da mesma editora e publicadas a partir de 1969, Ruth lembra que a primeira delas saiu na marra. Sonia Robato, a diretora, a trancou em uma sala e deu o ultimato. Só seria solta após escrever. Foi assim que surgiu a historia das duas borboletas, Romeu e Julieta, como resposta a uma indagação que lhe havia sido feita pela filha Mariana: “Por que negro é pobre?”Desde que publicou seu primeiro livro em 1976 (“Palavras Muitas Palavras”), não parou mais. Entre 1977 e 1988 produziu 67 livros. Hoje tem mais de 130 títulos (ficção, didáticos, paradidáticos e um dicionário) em 25 idiomas, com oito milhões de exemplares. Sua obra destaca-se pela tendência ao humor, pela abordagem de problemas políticos e sociais – influência de Monteiro Lobato-, além de suas posições em defesa da causa da mulher.Postura crítica em defesa da liberdade mantida, inclusive, diante das muitas dificuldades enfrentadas pelo país durante o difícil período da Ditadura Militar. Ruth valia-se de metáforas, como aquela do rei que não sabia de nada e confiou o reino aos burocratas, ou, aquela, na qual o rei que não gostava de verdades mandou trancar todas elas no porão, dentre muitas outras, para continuar escrevendo.Uma História de Rabos Presos, livro que Ruth lançou em Brasília, no Congresso Nacional (1989), caracterizava-se por forte conteúdo crítico. Nesse mesmo ano recebeu da Organização das Nações Unidas (ONU), convite para escrever uma Declaração Universal dos Direitos Humanos para crianças, intitulada Iguais e Livre, e publicada em nove línguas. Em 1990 retornou à sede da ONU, em Nova Iorque, para o lançamento do livro “Azul e Lindo – Planeta Terra Nossa Casa.Mulher atuante, ao lado dos livros que publicava participou ainda, durante seis anos, da mesa de debates do programa de televisão Gazeta Meio-Dia e, em várias editoras atuou como editora de revistas e organizou coleções voltadas para o público infantil. Isso, claro, sem abrir mão de cantar jazz algumas noites, como distração. Aliás, gosto pela música, confessou Ruth em entrevista, herdado da avó Neném que, inclusive, certa vez, a levou quando criança para cantar em uma rádio.Ruth, que com a obra Marcelo, Marmelo, Martelo emplacou mais de um milhão de copias recebeu, dentre outros, importantes prêmios brasileiros destinados à literatura infantil e juvenil, concedidos pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, da Câmara Brasileira do Livro, cinco Prêmios “Jabuti”, da Associação Paulista de Críticos de Arte e da Academia Brasileira de Letras e o Prêmio João de Barro, da Prefeitura de Belo Horizonte.Em 1998 recebeu do presidente Fernando Henrique Cardoso a Comenda da Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura. Em 2002 ganhou o prêmio Moinho Santista de Literatura Infantil, da Fundação Bunge e foi escolhida como membro do PEN CLUB – Associação Mundial de Escritores no Rio de Janeiro.Uma de suas grandes alegrias foi ter publicado (1999) sua adaptação de Odisséia, de Homero, para crianças, ilustrada pelo marido Eduardo, com quem tem uma filha e dois netos.Atualmente é membro do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta. 

*OBSERVAÇÃO: A história dessa carteira é meramente representativa. O produto acompanha somente uma frase dita pela mulher.

Você já usou este produto?

Compartilhe a sua opinião com a gente.

Avalie este produto
0,0 de 5 estrelas (0 avaliações)
  • 5 estrelas
    (0)
  • 4 estrelas
    (0)
  • 3 estrelas
    (0)
  • 2 estrelas
    (0)
  • 1 estrela
    (0)