House of Caju

Bolsa Feminina Em Couro Bibi Vogel

CÓD. HC11158VMLSOR
R$ 399,0010x de R$ 39,90 sem juros ou R$ 359,10 à vista

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Não sei o meu CEP

CALCULANDO FRETE

Tipo Valor Prazo
VEJA MAIS CONDIÇÕES DE PARCELAMENTO. Clique aqui

Formas de parcelamento no cartão

  • 01 x de R$ 399
  • 02 x de R$ 200
  • 03 x de R$ 133
  • 04 x de R$ 100
  • 05 x de R$ 80
  • 06 x de R$ 67
  • 07 x de R$ 57
  • 08 x de R$ 50
  • 09 x de R$ 44
  • 10 x de R$ 40

HCBIBIVOGEL

Companheira HCBIBIVOGEL :  é sempre aquilo que você precisa que ela seja. Espaçosa e utilitária sem perder o estilo, ideal para ser usado na cidade ou no interior podendo até mesmo ser usada em ocasiões especiais.

36cm X 22.0cm X 12.5cm

(Comprimento x Altura x Profundidade)

 

- Espaço interno reprojetado com detalhes dos arquivos da House of Caju

- Bolso interno com forro em tecido

- Peças metálicas personalizadas

- Acabamento em couro da cor Vermelho

 

 


A história por trás do nome dessa companheira:

Sylvia Dulce Klener, mais conhecida por Bibi Vogel. Nasceu no Rio de Janeiro a 2 de novembro de 1942. Era filha de imigrantes judeus alemães, que vieram para o Brasil, após a 2ª Guerra Mundial, fugidos do nazismo alemão. Atriz, cantora e compositora, modelo fotográfico e militava em defesa dos direitos das mulheres. São muitos os atributos desta mulher que lutava pela liberdade de escolha e expressão. Foi atuante fervorosa na segunda geração de feministas no Brasil. Na adolescência o esporte era sua paixão tendo por preferência o vôlei. Era atleta do Centro Israelita Brasileiro CIB, onde também teve sua estréia no palco do teatro amador que acontecia no centro. Seu primeiro trabalho profissional foi no Maison de France, com a peça O ovo, de Felicien Marceau. Neste período iniciou estudos na Escola Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro. Em tudo que se envolvia, dedicava-se com afinco e paixão. Em 1965 casou-se com o norte-americano Bill Vogel, músico e professor de literatura e foi morar nos EUA com ele. Conheceu Sérgio Mendes, sendo convidada a integrar o grupo musical Sérgio Mendes & Brasil 66 e com ele, subiu ao palco do consagrado Carnegie Hall, em Nova Iorque. Em 1968 voltou para o Rio de Janeiro, concluiu a Faculdade de Belas Artes e na seqüência, morando em São Paulo, fez um teste para modelo fotográfica para Editora Abril, sendo imediatamente contratada. Esteve nas capas de várias revistas de moda, sendo durante um ano a modelo mais fotografada do Brasil. Esteve no elenco da primeira montagem do musical Hair, em 1969. Com o sucesso desta produção, entrou para o Teatro de Arena, contracenando com os grandes ícones do teatro brasileiro como, Gianfrancesco Guarnieri, Augusto Boal e Lima Duarte. Com a montagem da peça Zumbi, participou do 1º Festival Latino-Americano de Teatro, em Bueno Aires, no final dos anos 70, e foi nesta turnê que conheceu o ator, diretor e autor teatral, Alfredo Zemma, com quem se casaria tempos depois. Em 1971 participou do Festival Mundial de Teatro, em Nancy-França. Considerada um dos mais belos rostos das telenovelas no final dos anos de 1960 e toda a década de 70. Na TV foi apresentadora do programa Concertos para juventude; participou de várias novelas: Nino, o italianinho e A fábrica (1971), ambas da extinta TV Tupi; Os ossos do Barão (1973); O espigão (1974); Bravo (1975); Espelho mágico (1977); e seu último trabalho, no SBT, foi na novela Chiquititas (1997). No cinema participou dos filmes: Pança de valente; Bebel, garota propaganda; Anuska, manequim e mulher, todos lançados no ano de 1968; Meu nome é Tonho (1969); Elas (1970); Diabólicos herdeiros (1971); Motel e O homem célebre, ambos em 1974; O pai do povo (1976); Ipanema adeus (1975); Deixa, amorzinho& deixa (1978); A morte transparente (1979). Em 1976 mudou-se com, seu marido, Alfredo Zemma, para Bueno Aires. Em março de 1979 nasceu sua única filha Mayra. Em seguida engaja-se no moviemento feminista, período em que iniciou sua militância na luta em defesa da amamentação defendendo o direito da mulher em escolher por amamentar ou não seu bebê. É com esta bandeira que no ano de 1980, junto com outras feministas funda o grupo de mães Amigas do Peito. Após 1985 passa a trabalhar em Bueno Aires como voluntária na Asamblea Permanente por los Derechos Humanos. Fez parte do 5º Encontro Feminista Latino-americano e do Caribe, onde lhe coube a responsabilidade de organizar a primeira oficina sobre a amamentação e o feminismo. Na década de 1990 participou dos tres primeiros simpósios argentinos de amamentação, esteve em Mar Del Plata-Argentina do Encontro Preparatório para Beijing e, em, 1996 apresentou um trabalho no Congresso em Bangkok-Tailândia. Bibi Vogel era uma mulher do mundo e não tinha medo de desafios. Quando morou na Europa, fez diversos trabalhos dentre eles lanterninha de cinema na Inglaterra e trabalhou em uma fábrica de balas na Holanda. Aprendeu vários idiomas, inglês, francês, espanhol e alemão. Era uma apaixonada pela vida, fazia diversas atividades ao mesmo tempo. Mulher incansável, lutadora. Faleceu em uma manhã de sábado em Bueno Aires, Argentina no dia 3 de abril de 2004, acometida por um câncer de estômago.

*OBSERVAÇÃO: Cada companheira da House of Caju possui uma história exclusiva, portanto a história acima pertence a companheira desta foto, cada companheira adquirida virá com uma história diferente.

Você já usou este produto?

Compartilhe a sua opinião com a gente.

Avalie este produto
0,0 de 5 estrelas (0 avaliações)
  • 5 estrelas
    (0)
  • 4 estrelas
    (0)
  • 3 estrelas
    (0)
  • 2 estrelas
    (0)
  • 1 estrela
    (0)